18 agosto, 2012

14 de Agosto - Combatendo a Falsidade


Revesti-vos de toda a armadura de Deus para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do maligno” Efésios 6:11
Não podemos mudar as pessoas, mas podemos mudar nossa maneira de encará-las.... Lidar com pessoas que agem de forma dissimulada com falsidade  requer bastante prudência de nossa parte. Muitas delas fingem ser nossos amigos(as), e nos apunhalam pelas costas, seja denegrindo nossa imagem, inventando mentiras a nosso respeito, ou nos preparando ciladas. Quando somos obrigados a conviver com pessoas assim, o melhor é procurarmos agir sempre com calma e educação, evitando nos descontrolar, gritar ou xingar. Melhor será, responder suas perguntas de forma evasiva sem dar muitas informações ou dizer que não queremos falar sobre o assunto. Quando percebermos que estão nos preparando uma armadilha, silenciosamente agirmos para não cairmos nela.  Ao nos depararmos com mentiras, esclarecer a verdade rapidamente. As pessoas poderão continuar a ser falsas conosco, mas irão perceber que não nos enganam e que seu jogo de falsidade conosco não funciona.
Reflexão Dirigida:
1) Faça diariamente a: ORAÇÃO CONTRA INVEJA
2) Faça a Oração Contra Inveja postada no Blog.
3) O mal se utiliza de pessoas para nos prejudicar e ferir.

13 de Agosto - Diálogo Interior


“Os bons florescem como as palmeiras... Na velhice,  ainda darão frutos; serão viçosos e vigorosos” Salmo 92:12,14
“Tenho conversado muito comigo ultimamente sobre as coisas que faço. Volta e meia preciso seriamente de uma conversa comigo: “Endireite a coluna”, eu digo para mim mesma quando estou me sentindo cansada. Quando eu acordo e a dor está pior eu falo: “Lembre-se de que no mundo sempre existe uma dor maior. E essa aqui vai passar. Eu me mando levantar e andar, embora preferisse apenas sentar e ler. Mas, como quero um corpo ágil, devo obedecer. Posso andar, ver e ouvir, não tão bem como antes, mas ainda consigo. Acho que me fazem bem as conversas que tenho comigo” Phil Colburn - Viúva de 99 anos que escreve poesia para manter viva a mente e todo mês tem um poema publicado pelo jornal da igreja que frequenta.
Reflexão Dirigida:
1) Converse com você mesmo, elogie-se, seja seu amigo(a).
2) Que tal desenvolver o hábito de dizer para si mesmo palavras de ânimo e fé?
3) Amparados e guiados por Deus podemos realizar grandes coisas.

10 de Agosto - Egoísmo Mata II


“Não endureçais os vossos corações” Hebreus 4:7
(continuação de ontem...) "O 4º homem  era um negro, cujos olhos faiscavam de ressentimento e pensou: “Eu Jamais daria minha lenha para salvar aqueles que me oprimem. O 5º homem conhecia mais do que os outros os caminhos, os perigos e os segredos da neve e então pensou: “Esta nevasca pode durar por vários dias, vou guardar minha lenha”. O 6º homem trazia nos vincos da testa e nas palmas calosas das mãos os sinais de uma vida de trabalho. Seu raciocínio era curto e rápido: “esta lenha é minha. Custou o meu trabalho. Não darei a ninguém nem mesmo o menor dos gravetos”. Com esses pensamentos os seis homens permaneceram imóveis. A última brasa da fogueira se cobriu de cinzas e finalmente apagou. Ao amanhecer quando os homens do socorro chegaram à caverna encontraram os seis homens mortos, cada um segurando um feixe de lenha. Surpreso o chefe da equipe disse: “O frio que os matou não foi o frio de fora, mais o frio de dentro”.
Reflexão Dirigida:
1) Cuidemos para que nosso coração não se torne frio e insensível.
2) Deus nos chama a contribuir com nosso graveto de amor para aumentar a chama da vida onde quer que estejamos.

9 de Agosto - Egoísmo Mata I


 "Para que Cristo habite pela fé nos vossos corações” Efésios 3:17
“Seis homens ficaram presos numa caverna por causa de uma avalanche de neve. Cada um deles trazia um pouco de lenha. Havia uma pequena fogueira que os aquecia. Todos sabiam que se a fogueira apagasse eles morreriam de frio antes que o socorro chegasse. Em dado momento foi necessário que cada um colocasse sua lenha na fogueira para mantê-la acessa. O 1º homem era um rico avarento, que ao perceber que entre eles havia um homem de aspecto rude, roupas velhas e remendadas, pensou: “Não vou dar minha lenha para aquecer um preguiçoso”, e assim, escondeu sua lenha. O 2º homem era racista e ao ver que havia um negro entre eles, negou-se a colocar a sua lenha. O 3º homem parecia alheio a tudo e a todos, e nem  passou pela sua cabeça oferecer a lenha que carregava, pois estava preocupado demais com suas próprias visões para pensar em ser útil” (continua amanhã).